Newsletter

Cadastre-se e receba nossos boletins informativos



Mundos Distantes - Relatório da Situação da População Mundial 2017
Agências da ONU e parceiros lançam campanha “Mais Direitos, Menos Zika”
Saúde reprodutiva e direitos são essenciais para combater o vírus zika
OJÚ-OMO - Olhar da Juventude
UNFPA disponibiliza publicações em aplicativo gratuito para smartphones e tablets

Cerca de 68 milhões de meninas enfrentarão mutilação genital feminina entre 2015 e 2030

Tamanho da letra:

Contingente deverá se somar às mais de 200 milhões de mulheres que vivem com esse tipo de violência, de acordo com novas pesquisas do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA)

Novos números indicam que as estimativas atuais de 3,9 milhões de meninas mutiladas a cada ano subirão para 4,6 milhões até 2030, a menos que esforços urgentes sejam feitos para evitar que isso ocorra. O aumento se deve ao crescimento da população projetada nas comunidades que praticam a mutilação. Atualmente, mais de 200 milhões de mulheres em todo o mundo vivem com mutilação genital feminina.

"Os novos apontamentos mostram o quão longe estamos de eliminar a mutilação genital feminina", disse a Dra. Natalia Kanem, diretora executiva do UNFPA. "A boa notícia é saber o que funciona: maior vontade política, envolvimento da comunidade e investimentos direcionados estão mudando normas sociais, práticas e vidas. Precisamos acelerar rapidamente esses esforços para cumprir nossa promessa coletiva de acabar com a mutilação genital feminina até 2030."

Sharleen, de 17 anos, entrando em sua escola onde ela estuda no Kenya. Seus professores a apoiaram a enfrentar mutilação e casamento precoce. "Minha família queria que eu fosse cortada e me casasse, mas eu recusei", ela disse. "Fiquei convicta a continuar minha educação". UNFPA/Luca Zordan

Os novos números provêm de um método mais robusto para gerar dados de risco específicos de idade para mutilações. Os dados foram então combinados com as estimativas da população mundial das Nações Unidas para projetar o risco geral. Os novos números agora também incluem dados da Indonésia, onde o método revisado capturou aproximadamente 1 milhão de meninas que enfrentam mutilação no primeiro ano de vida.

Embora o risco de uma menina ser mutilada seja cerca de um terço inferior ao que era há três décadas, mais meninas enfrentarão mutilações à medida que estas populações aumentam.

O mundo marca o Dia Internacional da Tolerância Zero para Mutilação Genital Feminina hoje, 6 de fevereiro. O UNFPA, juntamente com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), lidera o maior programa global para acelerar a eliminação da mutilação genital feminina.

"O UNFPA continua empenhado em apoiar as comunidades na luta para acabar com essa prática prejudicial, que não tem lugar no século XXI", disse a Dra. Kanem.

Leia a declaração do Dia Internacional da Tolerância Zero para Mutilação Genital Feminina de hoje, 6 de fevereiro de 2018, na íntegra clicando aqui.

banner zica lateral

teste pequeno

banner programa de pais

banner materiais iniciativas

reducao